Home

Longe vai a vibrante década de 90, onde o Calcio italiano dominava a Europa e a Serie A se assumia, de forma quase unânime, como a melhor liga de futebol da Europa – e, por arrasto, do Planeta.

Suportada historicamente por uma cultura de donos ricos de clubes que lideravam e injectavam dinheiro (algum mais ‘limpo’ que outro), a Serie A atraía alguns dos melhores jogadores do planeta, proporcionava duelos estratosféricos e aliava a qualidade técnico-táctica do típico jogador italiano com algum exotismo de quem chegava de outras paragens.

Em poucos anos, o conto de fadas tornou-se num autêntico pesadelo. Alguns dos milionários faliram, outros perderam a paciência para o brinquedo futebolístico. E clubes históricos atravessaram desertos exasperantes para os seus fiéis adeptos. A bancarrota levou Napoli ou Fiorentina à queda nas divisões secundárias e só com muito sacrifício se voltaram a erguer. O Parma despede-se este ano da Serie A e terá muitas dificuldades em regressar ao palco dos grandes, tais são as dificuldades financeiras do clube. Aliás, a lista de clubes italianos que foram à falência nas últimas duas décadas assusta qualquer um. Olhando atentamente à Serie B, vemos o saudoso Brescia em zona de descida. O Brescia de Roberto Baggio, Dario Hubner, Branco, Brülls…

brescia baggio pirlo

Brescia, que chegou a juntar em campo Roberto Baggio e Andrea Pirlo, está às portas da Serie C.

Mesmo entre os gigantes italianos, custa ver os históricos de Milão a meio da tabela de uma liga que não é a melhor, nem a segunda melhor, nem sequer a terceira melhor do Velho Continente. Um AC Milan sem identidade nem qualidade, um Inter que é uma feira de vaidades.

Mas não é do que de mau se tem feito em Itália que aqui vos falarei. É que isso já todos sabem – os mais e os menos atentos. O que talvez poucos saibam é que na liderança isolada da Serie B está um ilustre desconhecido: O Carpi.

Mais do que líder, o Carpi 1909 tem a subida à Serie A praticamente assegurada. Segue líder com mais 12 pontos que o segundo classificado e mais 13 que o terceiro. A coisa até podia estar resolvida não tivesse sido a derrota deste fim-de-semana em casa do Frosinone, precisamente o terceiro da tabela. A cinco jornadas do fim da Serie B, o Carpi está a uma vitória de garantir a primeira presença no principal escalão do futebol italiano. Caso para dizer que haverá festa da grande no próximo fim-de-semana caso o Carpi leve de vencido outro histórico italiano, o Bari.

carpi

Modesto Carpi 1909 está a uma vitória de assegurar, pela primeira vez, presença na Serie A.

Confesso que me apanhou totalmente de surpresa ver este semi-desconhecido na liderança. E fui pesquisar mais sobre o clube. Descobri que Carpi é uma pequena cidade italiana, de 67 mil habitantes, localizada perto de Modena. Para vos situar, estamos perto de Parma e de Bolonha, duas cidades cujos clubes históricos atravessam graves crises financeiras. Ali perto está também Sassuolo, terra de um clube também ele pequeno que vem dando cartas na Serie A, prometendo um dérbi regional inédito na próxima temporada.

Fundado em 1909, o Carpi passou grande parte da sua história no futebol amador e semi-profissional e na viragem do século, em 2000, chegou mesmo a falir (é só mais um da tal extensa lista). Por isso, apesar de ter a data de 1909 no seu nome e símbolo, pode-se dizer que foi efectivamente fundado (ou re-fundado) em 2000. Joga num modesto estádio, o Sandro Cabassi, com capacidade para 4 mil espectadores.

Chegou ao segundo escalão pela primeira vez na sua história na época 2012/2013, numa ascensão meteórica de três promoções em quatro temporadas. Quando confirmar a subida ao principal escalão – que, admitamos, está mais que garantida – o Carpi conseguirá a proeza de saltar, em seis anos, do quinto escalão para a Serie A. Um verdadeiro conto de fadas.

Carpi - Brescia

Pequeno estádio do Carpi (pouco mais de 4 mil lugares) será pequeno para a recepção ao Bari, naquele que pode ser o jogo da subida.

O plantel, esse, é composto maioritariamente por jogadores desconhecidos italianos habituados aos palcos secundários. A eles juntam-se alguns nomes mais reconhecidos, todos eles emprestados por clubes de maior prestígio, onde se destaca o guarda-redes brasileiro Gabriel, emprestado pelo AC Milan. O destaque da época tem sido Mbakogu, um jovem nigeriano que já leva 14 golos. Também se destaca Kevin Lasagna mas é o colectivo a grande arma do Carpi, sendo o segundo melhor ataque e, de longe, a melhor defesa do campeonato. Não se trata de ser promovido. É ser promovido com classe.

Porém, curiosa tem sido a reacção dos ‘Senhores’ da Serie A. Porquê? Porque não estão a ver com bons olhos a mais que provável subida do Carpi à Serie A. Mais ainda, se a este se juntar o Frosinone. O motivo? Porque são clubes demasiado pequenos e sem massa adepta relevante. O próprio presidente da Lazio, Claudio Lotito, já veio a público defender que será mau para o futebol italiano a subida de Carpi e Frosinone. Palavras que atropelam, por completo, o mérito e empenho dos clubes, adeptos, jogadores, direcções e corpos técnicos em questão. Lotito não viu mais que o seu umbigo… e os cifrões. Os cifrões que tão mal usados têm sido pelos ‘Senhores’ do Calcio.

lotito

Polémicas declarações do presidente da Lazio (Lotito) criaram empatia em torno do Carpi.

Lotito defende que a Serie A perderá qualidade e que o mercado das receitas televisivas será também afectado, pela negativa. Ora digam-me lá: com ‘Senhores’ destes, faz um bocadinho mais sentido o estado actual do futebol italiano, não?

Segundo o ‘Senhor’ Lotito, a dimensão de um clube deveria ser critério de entrada na Serie A. Que se esqueça o que se faz em campo. Que se esqueçam também as dívidas elevadíssimas que outros têm na Serie A, passeando os seus clubes nos palcos de gente grande, qual senhora falida de Cascais a passear as suas joias penhoradas. Que se esqueçam os casos de corrupção que destroem, por dentro, o futebol transalpino e, imagine-se, no qual tem aparecido o nome do próprio ‘Senhor’ Lotito.

parma

O Parma (na foto com Buffon, Cannavaro, Thuram, Crespo, Verón, Sensini…) é o mais recente caso de falência num futebol italiano mal gerido.

De resto, Carpi e Frosinone não são casos únicos na história recente do futebol europeu. Quem segue o Palavras ao Poste deve, certamente, recordar-se do caso Eibar (https://palavrasaoposte.wordpress.com/2014/05/27/eibar-o-exemplo-basco/), relativo ao ano passado, quando um clube modesto e sem dívidas quase foi impedido de jogar na La Liga. Não só o conseguiu como tem feito uma prestação mais que digna, à frente de tantos outros atolados em problemas financeiros. Outro caso é o do Luzenac, em França, um clube semi-profissional de uma vila modesta que conseguiu, em campo, a promoção à Ligue 2 mas que teve que lutar contra a própria Federação Francesa de Futebol para ter direito a disfrutar do que conseguiu com mérito e esforço dentro de campo.

É assim que vai o nosso futebol meus amigos. Em Portugal, ainda que numa realidade manifestamente mais pequena, contamos hoje com o Arouca na Primeira Liga. Arouca que recebeu o Paços de Ferreira esta semana e contou com menos de 500 pessoas no estádio. Para o ano, tudo o indica, será a vez do modesto Tondela fazer a sua estreia entre os grandes.

São pequenos, modestos, mas a sua luta de David contra Golias só lhes dá mais mérito. Vedar-lhes a subida? Estamos a matar o desporto. Bem-vindo à Serie A, Carpi. Veni, vidi, vici.

GOSTOU DESTE ARTIGO? ENTÃO ENTRE EM https://www.facebook.com/palavrasaoposte, CLIQUE ‘GOSTO’ E ACOMPANHE OS ARTIGOS DIÁRIOS DO PALAVRAS AO POSTE! 

joni_desenho

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s